logo do cabeçalho
Guia de Sobrevivência do Careca

Um livro divertido sobre o orgulho de ser calvo

A luta do homem contra a calvície é quase tão antiga quanto a própria existência da careca. Papiros egípcios datados de 4000 a.C. já traziam várias fórmulas para combater esse ‘mal’ (gorduras de leão, hipopótamo, crocodilo, gato, cobra e bode estão entre os ingredientes)

O “fenômeno” sempre gerou controvérsias. “Feio é um campo sem grama, uma planta sem folhas, uma cabeça sem cabelos”, diz um dos versos do poeta romano Ovídio. A rainha Cleópatra não gostava da careca de Júlio César e o obrigava a usar fórmulas preparadas com ratos queimados, dente de cavalo, gordura de urso e medula de cervo.

Para combater essas injustiças históricas e devolver a auto-estima aos homens com ausência de cabelos, Tim Collins acaba de lançar o livro “Guia de Sobrevivência do Careca – Tudo o que o pouca-telha precisa saber para enfrentar um cabeludo mundo cruel”.

Com um humor afiado e muita criatividade, o autor lista os mais ilustres carecas da história (na filosofia, na política, na ciência e nas artes), os sexy symbols, os que marcaram nossa infância e até os vilões mais incríveis. Também aponta as dez maiores vantagens de não ter cabelos e, de quebra, dá dicas para raspar a cabeça.

Do uso de chapéus e perucas às “poções milagrosas” vendidas pela televisão, passando pelos mais complexos e ridículos penteados para disfarçar a carência de mechas, diversas soluções contra a calvície são analisadas e descartadas. Apoiando-se na ciência, o livro explica as causas do ‘problema’, diferenciando os seus diferentes tipos – como a alopecia androgenética, padrão nos homens. Com isso, desfaz alguns dos mais duradouros mitos que cercam o tema.

De acordo com Collins, o enaltecimento ou a execração da calvície ao longo dos séculos estão ligados às mudanças culturais em cada sociedade. Se no Antigo Egito era comum os homens rasparem a cabeça, o movimento hippie dos anos 70 colocou na moda os cabelos longos e desarrumados. Mais tarde, o surgimento dos skinheads gerou uma verdadeira aversão aos calvos, que passaram a ser vistos como violentos.

A ‘arma’ fundamental para se defender do preconceito e das gozações é assumir a condição de calvo, agindo com muita paciência e bom-humor. Munição não falta: nas mãos do autor, apelidos, xingamentos, piadas e até as cruéis gozações de amigo-secreto se revertem a favor dos carecas. Para completar, curiosidades e fatos científicos referentes à perda de cabelos, além de frases ditas por personalidades, estão distribuídas ao longo de todo o livro.

Trechos

“Já houve um tempo, milênios atrás, em que o ser humano era coberto de cabelos quase dos pés à cabeça. A abundância capilar podia mesmo ser útil num mundo em que as pessoas moravam em caveras, tinham que viver da caça e da coleta e dar um jeito de se proteger dos ventos gelados e de ataques de feras esfomeadas.

Mas, à medida que o ser humano foi evoluindo e essas necessidades se tornaram menos prementes, ele começou também a perder cabelos. Houve homens que evoluíram a tal ponto que perderam até os cabelos do alto da cabeça. Infelizmente, esse sinal claro de superioridade biológica despertou a ira dos seus companheiros menos evoluídos”.

“Mas agora os tempos são outros. Talvez graças a astros do cinema como Bruce Willis ou Vin Diesel. (...) Qualquer que seja o motivo, o fato é que hoje em dia ser careca é sexy. A tal ponto, inclusive, que muitos sujeitos plenamente dotados de cabelos estão aderindo ao visual zerado”.

“A hora é essa, meu amigo! Jogue fora esse boné, arranque a peruca e esqueça o tônico capilar – resgate o seu orgulho calvístico ferido e volte a brilhar”.

Sobre o autor

Tim Collins nasceu em Manchester e hoje vive em Londres. Ele é o autor de vários sucessos da literatura de humor, como The Ginger Survival Guide e Are you a Geek? Collins trabalha também como redator publicitário, e já escreveu para diversas revistas e jornais.

Sobre a Matrix Editora

A Matrix é a única editora no Brasil especializada em livros de humor e bem-humorados. Em seu catálogo de autores constam nomes como Millôr Fernandes, Gisela Rao, Gustavo Nagib e os Irmãos Bacalhau.

Guia de Sobrevivência do Careca: Tudo o que o pouca-telha precisa saber para enfrentar um cabeludo mundo cruel – 144 páginas